Hey!

Quando eu comecei, cometi erros que me atrapalharam bastante no percurso ou que me fizeram perder muito dinheiro.

Erros normais que só mesmo a experiência poderia me fazer aprender ou se tivesse alguém que me auxiliasse com isso, coisa rara em 2010.

Bem, mas não estamos mais em 2010 e cá estou eu pra te passar os 5 erros que eu cometi e que boa parte dos fotógrafos iniciantes cometem.

 

1- Querer todas as lentes do mundo

Aquele lente branquinha, um anelzinho vermelho...
É normal, ao iniciarmos, sonharmos em ter todas as lentes possíveis, afinal, cada uma delas te entrega possibilidades diferentes.

Mas, é com o passar do tempo que, você vai entendendo que elas não são tão fundamentais assim e que se tiver um bom conhecimento,

fará um set ótimo de equipos e ECONOMIZARÁ BASTANTE.

Atualmente minhas áreas são: Casamentos, Ensaios e raramente, gestantes. Já que é algo exclusivo que só faço de noivas ou indicação.
Então, pra esse uso, eu combino uma 24mm 1.4 e uma 50mm 1.2 e uma 200mm 2.8.
Mas já tive 70-200, já tive 17-40, 16-35, 15, 35, 70-200, 75-300...
Rs e quanto mais lente eu tinha, mais utilidade eu queria enxergar pra elas.

Até que, um belo dia, percebi que estava levando mais equipamento, do que usando.
E, foi aí que comecei a perceber que muitas vezes, dois passos pra trás ou dois passos pra frente,
davam o mesmo resultado, por 2 ou 3 mil  reias a menos.

Tenha um bom range de alcance, pra se sentir seguro.
Se puder, dê preferência as fixas, por peso, por nitidez e, se controle viciado.
Obs: Nikon, Canon, bla bla bla.... Rs 

2- Achar que fotografia é só tirar foto

Se você acha que se tornar um fotógrafo e ter bons clientes, está relacionado apenas a saber fotografar, bem está completamente errado.
A parte de fotografar é importante, mas o que vai separar você de fotógrafos amadores, não é só sua fotografia,
mas também a forma como você faz a gestão do seu negócio, pra quem direciona seu marketing e o que você quer fazer com a sua fotografia.
Tem fotógrafos de casamento a 300 reais, a 1.000, a 5.000 e eu cobro a partir de 8.000.
O que diferencia nossos trabalhos, não é apenas a fotografia que fazemos.
Pois muitas vezes, o cliente de 300 reais, esta super satisfeito com o trabalho que recebeu.
O que diferencia nossos trabalhos, é pra quem o direcionamos.
Gosto de clientes que valorizem a fotografia, que dão valor as suas vitórias, que entendem que a história deles é importante, que tem bom gosto,
que são realizados profissionalmente, financeiramente e estão dando um passo importante pra se sentirem realizados com sua própria fámilia.
Esse cliente, que entende o valor de tudo isso, geralmente, não vai investir apenas 300R$ na fotografia do dia mais importante da sua história.
Por isso, o meu concorrente não é o cara que cobra menos que eu, pelo contrário, é o cara que cobra mais!
Pois eu preciso, dentro da minha gestão de negócio, valorizar ainda mais meu trabalho.
Isso não se faz aumentando preço ou sabendo fotografar mais.
Se faz dando ao cliente, motivação pra ele perceber o porque do seu valor.
Seja no atendimento, na preocupação da sua marca, nos materiais que usa, nas comodidades que oferece.
Carros são todos iguais no final das contas, te levam onde você quer ir.
O que muda, é o conforto que geram a você no percurso, a economia, a conveniência, o status...

Seja organizado com tudo, entenda que você é um empresario, gestor, lobista e fotógrafo. 
Separe um tempo pra criar suas planilhas de custo/recebimentos, separe outro pra produzir seu material de marketing,

tenha também seu tempo pra estudar e pra fazer tudo que vai além de fotografar.
Se puder pagar por isso, ótimo! Se não puder, estude e faça!

3- Investir em revistas e blogs
Sério, não caia nessa furada de anunciar logo ao iniciar uma carreira.
Eu, particularmente,  aconselho a não cair nessa furada nunca!

Essas mídias direcionadas geralmente já tem seus queridinhos, aqueles que formam uma panelinha, cercados de risos falsos, 
muita puxação de saco e presentinhos como pendrives e canecas... 
Essas mídias, costumam promover matérias gratuitas com esses fornecedores e matérias rendem mais do que apenas anúncios,
logo, quem terá mais resultados, é quem já tá lá a mais tempo, você ta só financiando o espumante deles, enquanto eles falam mal de você.
Foque no que mais importante agora, investir em conhecimento, em montagem de portfólio, um bom site, redes sociais...

Quer uma dica: Pegue esse dinheiro de anúncio, abasteça o carro, chame aquele casal de amigos que você acha lindo e faça um ensaio com eles.

Certamente isso irá te trazer muito mais retorno do que um anúncio nessas plataformas.
As redes sociais são um grande aliado pra divulgar o trabalho. 
Coloque uma coisa na sua cabeça, são eles que precisam da gente pra ter matéria e existir, não o contrário.

 

4- Não ter foco

Por mais tentador que fotografar pareça ser, fotografar tudo e todos é um grande tiro no pé.

Dê preferência a fotografar aquilo que quer vender, seja casamento, infantil, gestante, enfim,
foque nisso e dedique sua energia ao que escolheu.

Quando você abre muito seu leque, deixa de se dedicar 100% a uma coisa e isso faz com que sua frustração seja maior, 
pois ninguém é bom em tudo. 
Tentar se dedicar a tudo, sempre vai deixar uma brecha pra se dedicar ao que você mais quer.
Ter foco não é dizer sim pra todas as oportunidades, mas sim, saber para as quais deve-se dizer não.

 

5- Faça contratos, mesmo que de freelancers Isso é muito sério.

Muitos fotógrafos iniciantes não possuem contratos definidos o que gera enormes dores de cabeça.

Não é incomum ver no mercado profissionais que fizeram um trabalho e não receberam.

Isso se deve ao fato de não terem um contrato.
Logo, acabam sendo lesados e sem ter como provar nada e receber os valores devidos.
É triste que isso aconteça, mas é a realidade, se proteja, sempre! 
São negócios, negócios envolvem seriedade.
Tome a sua cerveja com o fotógrafo, tenha a reunião na mesa do bar, mas ao final, de um sorriso e diga:
Legal, agora assina aqui. :)

Dica bonus:

Se atualmente a fotografia não é sua única fonte de dinheiro, invista tudo que conseguir com ela, nela mesma. 
Seja em equipamentos, em cursos, em livros... Pense que você está recebendo uma ajuda de custos dela, pra continuar investindo nela.

Assim, você poderá crescer sem comprometer sua renda principal, sem comprometer suas finanças.

Seja paciente, vá aos poucos, não tem nada de errado em um equipamento usado, desde que saiba de onde vem.
O que você não pode nunca, é comprometer sua renda, pois se der um problema, a primeira coisa que você vai deixar pra lá, é a fotografia.
Afinal, ela ainda não paga suas contas.